Inicio

 

O Festival Sons no Montijo regressa em 2023 com mais um cartaz eclético.

No dia 2 de junho, recebemos os Calmness e os Actors.

A banda portuguesa com os seus sons etéreos e próximos do minimalismo, agora em quarteto, abrirá a noite onde recebemos um dos concertos mais aguardados em Portugal para o ano de 2023, o dos canadenses Actors.

“O brilhante quarteto pós-punk/new wave de Vancouver, continua a mostrar o seu talento para cinematografia sónica (…) A atmosfera treme com o reverberante crooning do cantor Jason Corbett aumentado por guitarras tremendo e sintetizadores gritantes.” — POST-PUNK.COM

 

A noite de 9 de junho, será totalmente portuguesa, com os Mão Morta, Quinta do Bill e Sean Riley & The Slowriders. Uma mistura eclética e que se espera explosiva.

De Braga vêm os Mão Morta, a banda rock avant-garde liderada por Adolfo Luxuria Canibal, que desde os anos 80, inova no panorama musical nacional. Os seus concertos são sempre uma mistura explosiva de música e energia inesgotável. Esperamos um grande concerto.

A Quinta do Bill, vem comemorar os seus 35 anos de carreira, naquele que se espera ser um concerto em festa. Uma festa repleta de grandes canções e hits, com que a banda nos tem brindado ao longo de mais de três décadas.

Sean Riley & The Slowriders é uma formação portuguesa que navega em sonoridades musicais rock, blues e folk, de tradição norte-americana. Em 2022, tivemos o prazer de ter Afonso Rodrigues (Sean Riley) no nosso Festival naquele que foi um dos grandes concertos da primeira edição (Keep Razors Sharp). Este ano recebemos o artista acompanhado dos seus Slowriders, para um concerto que se espera intenso e carregado de energia rock n roll.

©AnaViotti

 

No dia de Portugal, 10 de junho, último dia do nosso Festival, teremos Hauseplants, Ash Code e Madrugada.

House Plants a banda de Lisboa, que está entre os 15 nomeados para os prémios Music Moves Europe Awards 2023, abre a noite com o seu rock alternativo. A banda, apesar de portuguesa, mudou-se para Nova Iorque para procurar novas “inspirações” e aprimorar a sua sonoridade.

Em seguida, entram em palco os italianos Ash Code. A banda italiana de dark wave formada em 2014 em Nápoles pelo cantor Alessandro Belluccio, a teclista Claudia Nottebella e o baixista Adriano Belluccio. A sua música abrange uma vasta gama de géneros, incluindo dark wave, post-punk, synth-pop e EBM, tornando os Ash Code uma das grandes referências mundiais da música alternativa.

 

Em final de noite e para encerrar o Festival em grande, sobem a palco os noruegueses Madrugada. A superbanda de Sivert Høyem traz o seu alt-rock “sujo” que marcou o fim da década de 90 do século passado com tons de negro e melancolia ao palco do Sons no Montijo, num dos regressos mais aguardados ao nosso país. A voz intensa dita a carga emocional dos temas e continua a ser o motor da banda que usa as guitarras rock na construção das suas atmosferas musicais, com mestria inigualável.

 

 

2022

No dia 22 de julho, são cabeças de cartaz os UHF, “formados na Costa da Caparica, em Almada, em 1978. São os principais responsáveis pelo surgimento do boom do rock em Portugal, em 1980, e os fundadores do movimento de renovação musical denominado “rock português’′. São uma das bandas portuguesas mais prestigiadas e a mais antiga em atividade. A formação inicial foi composta por António Manuel Ribeiro (vocal e guitarra), Renato Gomes (guitarra), Carlos Peres (baixo) e Américo Manuel (bateria). Atualmente são formados por António Manuel Ribeiro (vocal e guitarra), António Côrte-Real (guitarra), Nuno Correia (baixo) e Ivan Cristiano (bateria). Resultante do pós punk, no final dos anos setenta, a sonoridade da banda incorpora o rock direto e espontâneo de características urbanas, produzindo também um som mais acústico e hard rock com alguma influência dos Doors”.

Nessa noite os UHF, serão acompanhados pelos Keep Razors Sharp, Trêsporcento e Earth Drive.

““Uma super banda discreta”, como os apelidou o jornal Público, os Keep Razors Sharp são Afonso Rodrigues  (Sean Riley & The Slow Riders), Rai (The Poppers), Bráulio (ex-Capitão Fantasma) e Bibi (Riding Pânico, entre outros).

Com uma sonoridade entre o psicadelismo, o shoegaze e o pós-rock, os singles de estreia “I See Your Face”, “9th” e “By The Sea” tornaram-se sucessos radiofónicos e que lhes valeram a aposta nacional da revista Blitz para 2014, tendo percorrido palcos de Norte a Sul do País, tais como no Rock in Rio, Festival Bons Sons, O Sol da Caparica, Vodafone Paredes de Coura, Nos Alive e Super Bock Super Rock, entre muitos outros.

O segundo disco “Overcome” saiu a 19 de Outubro de 2018 e valeu-lhes presença em grande parte das listas de Melhor do Ano dos media nacionais. Foram a aposta da Antena 3 para o Festival Eurosonic na Holanda em 2019.

Em Dezembro de 2021 editam o novo single “Shine a Light”.”

A segunda banda da noite, “Os Trêsporcento não trabalham por objetivos. O propósito que esteve na origem da banda era o processo, nunca o resultado; era o caminho, nunca o destino. Por isso a banda não acaba quando mudam as circunstâncias, reinventa-se e renasce. Se em 2009 eram 4 os músicos em palco (Tiago Esteves, Salvador Carvalho, Lourenço Cordeiro e Pedro Pedro), de então para cá a formação alargou-se permanentemente com a entrada de António Moura e João Gil, e conta com colaborações com Flak, Zé Guilherme Vasconcelos Dias e Vítor Hugo Azevedo. Esta nova dimensão ao vivo faz com que cada concerto seja uma oportunidade de reinvenção e redescoberta do prazer de estar com o público.”

A noite começa entre o stoner e o psicadelismo dos Earth Drive. “Formado há exatamente uma década, foi durante os últimos dois anos que este quarteto do Montijo — formado por Hermano Marques, Sara Antunes, Luís Silva e Luís Eustáquio — se começou a afirmar como das mais interessantes propostas saídas da cena underground nacional, tendo marcado presença constante em eventos de renome como o Reverence Valada, o Under The Doom, o Sprint To Rock Fest e o VOA – Heavy Rock Festival.”

Este dia terá sete bandas em atuações desde a tarde ao final da noite, apostamos em novas bandas como os Persona77, GNU e GrandSun, passando pelo hip hip de PZ e Conjunto Corona e rock-ska-pop dos australianos Caravaña Sun, para terminar com concerto das lendas do punk rock nacional Tara Perdida.

“A gênese dos Tara Perdida remonta ao ano de 1995 – mais precisamente ao dia 10 de Junho de 1995. Foi exatamente no Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades, que os músicos se juntaram pela primeira vez no bairro de Alvalade – famoso por ter dado ao movimento punk rock português bandas como os Peste & Sida e Censurados – para um primeiro ensaio. Muitos discos e concertos depois, em 2022, “os Tara Perdida são considerados a maior instituição de Punk Rock em Portugal” e têm como formação: Rui Costa, Tiago Ganso, Pedro Rosário, Filipe Sousa.

Descrito como “o desempenho mais explosivo alguma vez testemunhado” pela LOST Magazine, os Caravãna Sun são conhecidos pela energia bruta dos seus espetáculos ao vivo. “Começámos a tocar em pequenos locais, escondidos no canto. As nossas canções tinham como objetivo fazer as pessoas dançarem e moverem-se de qualquer maneira. A banda começou num lugar de gypsy-ska e reggae com um grande foco no trompete e ritmos de condução para manter a energia alta. Levamos o nosso público numa viagem.”

“O Conjunto Corona é amigo do ambiente e apoia o desenvolvimento sustentável de todas as economias mundiais, a paz, os jogos olímpicos, os prémios nóbeis e as francesinhas vegetarianas”. Com sonoridades entre o hip-hop e o reggaeton, tudo pode acontecer nesta atuação (a segunda da noite de 23).

PZ abre a noite servindo “Croquetes e música desfragmentada, cortada aos bocados entre as perdas de memória. PZ é Paulo Zé Pimenta. Aos 16 anos começou a fazer música no seu quarto com um computador, um sampler e um ou dois sintetizadores. Num modo autodidata, foi desenvolvendo uma sonoridade própria que tomou outra dimensão com o modo como expõe as suas ideias.”

No final da tarde, teremos os GrandSun, que “cantam sobre personagens peculiares que encontram todos os dias. Eles também cantam sobre escapismo e medo existencial. Podíamos chamá-los de banda do sol com influências pesadas do final dos anos 60 e 70, às vezes um ato pop psicadélico, na maioria das vezes com uma atitude garage/pós-punk.”

Antes dos GrandSun, temos os GNU, uma banda de Post Rock, oriunda da cidade do Montijo, que explora “sonoridades do Post Rock, Math Rock e algum Midwest Emo. Bebendo de bandas nacionais e estrangeiras, dá origem a um caos organizado que desperta nos ouvintes uma felicidade nostálgica. Com letras carregadas de trocadilhos, referências a pop culture e um sentido de humor muito característico, garantem sempre um sentimento de boa disposição e leveza de alma.”

A abrir o sábado temos outra banda do Montijo, os Persona77. “A banda de rock alternativo montijense que soa a mistura entre a melodia dos Ornatos Violeta com a lírica e peso dos Mão Morta. Esta apresentação inclui-se na sua Odisseia Tour.”

Contactos/Localização

e-mail: somospeixinho@gmail.com

Tel: +351926458352

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Parceiros

 

Promotores

Organizador

Media Partner

O bem-estar é importantíssimo. Boas instalações sanitárias com água corrente e higiene sempre vigiada são imprescindíveis.

Também uma área de restauração diversificada (com forte incidência nos produtos locais) é importantíssima (até para envolver produtores e comerciantes na alma do evento).

 

Por fim, limpeza e consciência ambiental, proporcionando aos festivaleiros um festival limpo e com práticas sustentáveis.

Somos um Eco Evento Amarsul.

Apoios

 

 

Instagram